Artigo

Artigos

Artigos

Brazilian Computer Graphics Magazine 2019

Contos do Amanhã: longa nacional de ficção científica estreia em Gramado

13-09-2020


contos-do-amanhã:-longa-nacional-de-ficção-científica-estreia-em-gramado

Longa de estreia de Pedro de Lima Marques, aposta em aventura futurista, efeitos visuais e trama adolescente. 

O longa de ficção científica “Contos do Amanhã”, escrito e dirigido por Pedro de Lima Marques fará sua estreia nacional dentro da programação do 48° Festival de Cinema de Gramado. O filme estará disponível na plataforma Canal Brasil Play por tempo limitado: serão quatro dias para conferir em primeira mão antes da sua estreia comercial em VOD, prevista até o fim do ano. O acesso ao filme “Contos do Amanhã” é gratuito para assinantes do Canal Brasil e ficará no ar das 0h do dia 19 (sábado) até às 23h50min de 23 de setembro (quarta-feira). Maiores informações no site contosdoamanha.com.br.


contos-do-amanhã:-longa-nacional-de-ficção-científica-estreia-em-gramado


Em 2165, o sequestro de Michele Medeiros (Daiane Oliveira) coloca a cidade-estado Porto 01, o último reduto humano, em guerra. Para salvar a civilização será preciso contar com a ajuda de Jeferson (Bruno Barcelos), um adolescente  que vive em 1999. A realização é da Bactéria Filmes, com produção de Daniela Israel, coprodução da Druzina Content, em associação com o estúdio de pós-produção Forno FX e distribuição da Moro Filmes.

Contos do Amanhã” imagina o mundo do século XXII - dividido entre a civilização de Porto 01 e a barbárie da Zona de Exclusão. “Tenho a intenção de propor um caminho narrativo e estético diferente - que viabilize novos universos”, diz Pedro de Lima Marques, que estreia na direção de longas. Entre as referências citadas pelo cineasta estão os desenhos animados japoneses ou animes, como “Ghost in the Shell” e “Akira” e dos filmes da série “Matrix”.

Cenários, veículos e um vasto aparato high-tech foram criados em computação pelo próprio diretor, através de sua empresa de efeitos visuais, a Forno FX. “Podemos criar mundos novos. Não é um monopólio do estrangeiro”, acredita Pedro. “E pode ser da nossa forma, do nosso jeito”, conclui. Com toda a pós-produção feita no Brasil, Pedro estima que mais de 500 planos do filme tiveram algum retoque digital.