Artigo

Artigos

Artigos

Brazilian Computer Graphics Magazine 2017

De Vingadores a Game Of Thrones: Como a CG invade os grandes sucessos

21-12-2020

Com a era da computação gráfica, tanto o cinema quanto as séries se reinventaram. Trazendo novas ferramentas e estilos, as produções audiovisuais levaram a outro patamar o que fazem de melhor: encantar e seduzir o público, tornando as cenas cada vez mais realistas e criando universos fantásticos que deixam a todos de boca aberta.

No entanto, não foi de repente que as grandes produtoras se interessaram pela computação gráfica. Inicialmente, essa tecnologia foi criada para fins bélicos e, apenas nos anos 70, ela foi utilizada pela primeira vez nos cinemas, com um efeito em 2D no filme “Westworld – Onde Ninguém Tem Alma”.

De lá para cá, muito mudou. As produções começaram a se especializar tanto na computação quanto nos efeitos especiais e, para se ter uma ideia dessa evolução, em 1997 o longa Titanic já substituía atores reais por pessoas digitais, no que seria uma novidade valiosa para o futuro do mercado audiovisual.

Mas, afinal, como essa tecnologia segue crescendo – e invadindo – os grandes sucessos? Nos últimos anos, as principais produções se destacaram nesse aspecto e não poderia ser diferente com os dois grandes nomes de 2019: Vingadores e Game of Thrones.

Vingadores

de-vingadores-a-game-of-thrones:-saiba-como-a-computação-gráfica-invade-os-grandes-sucessos

Indicado ao Oscar de efeitos especiais, o primeiro filme de “Vingadores” já mostrava a que veio a franquia. Nesse longa, as lutas e destruições foram criadas por computadores e até mesmo o Hulk precisou de uma ajudinha. Para deixá-lo o mais real possível, foram utilizadas milhares de fotos do ator Mark Ruffalo e o resultado foi tão perfeito que o personagem possuía até a mesma digital do artista. Dá para acreditar?

E em “Vingadores: Ultimato” não foi diferente. Se antes já havia toda uma técnica sendo usada, agora tudo ganhou ainda mais primor. Sem toda essa tecnologia, alguns detalhes, como os lacaios de Thanos com seus seis braços, os portais dos magos se abrindo, o homem-gigante e até mesmo o Capitão América golpeando o vilão seriam inexistentes. Aqui, a computação gráfica fez toda a diferença!

Game of Thrones

de-vingadores-a-game-of-thrones:-saiba-como-a-computação-gráfica-invade-os-grandes-sucessos

Pensou que os efeitos eram exclusividade de Hollywood? Se enganou! Desde 1994, a computação gráfica passou a dominar os seriados, como é o caso de Game of Thrones. Desde o início, os fãs puderam acompanhar essa magia tecnológica acontecendo em cenários, detalhes e até nos dragões, que foram feitos através de um estudo profundo de fósseis de dinossauros para chegar a um resultado convincente.

A partir daí, outras criações como os castelos, barcos, a neve e, principalmente, as multidões foram essenciais para tornar tudo ainda mais real. Na Batalha dos Bastardos, por exemplo, 500 figurantes e 70 cavalos foram transformados em milhares de soldados graças a um estúdio de computação gráfica.

Ainda assim, o que realmente chamou atenção foram os efeitos da última temporada. Os detalhes eram tantos, especialmente para manter o sigilo do roteiro, que até mesmo a morte de uma das personagens teve que ser computadorizada, já que o set poderia ser visto por qualquer um. Em entrevista ao Arstechnica, o responsável pelos efeitos da série, Thomas Schelesny, chegou a afirmar que esse havia sido o trabalho mais difícil de sua vida. No entanto, essas são as belezas que a computação gráfica apresenta e representa.

Receba mais informações

Se você gostou dessa matéria, não deixe de baixar as edições da revista e conferir o melhor desse segmento no Brasil e no mundo. Esperamos por você!

Seja avisado quando a nova edição for lançada